segunda-feira, 17 de julho de 2017

A Verdadeira Devoção

Por Pe. Theodoro Ratisbona


   
    Há uma devoção, verdadeira, como há uma falsa devoção.

               A primeira, violeta das almas amantes, enche de fragrância muitas existências obscuras, e é pouco conhecida porque, modesta e humildemente, se furta aos olhos do mundo. A segunda, porém, pactua com o amor próprio; é egoísta e cheia de si, procurando a estima e os aplausos do mundo, mais do que a aprovação de Deus.

               As suas práticas são, por vezes, minuciosas, importunas e farisaicas, porquanto ela nota um pequenino argueiro nos olhos do próximo e não repara nas traves que cobrem seus próprios olhos. Semelhante a uma múmia sem entranhas, esta espécie de devoção só se prende às exterioridades: adorna-se nos dias de festa e ostenta-se em todas as cerimônias, mas sob os ornatos e as galas que a envolvem, não palpita a vida, porque falta o espírito da verdade e da caridade.
               Quando a devoção é verdadeira, conforme o espírito do Evangelho, ela tem três atributos que a distinguem: é sólida, amável e sobrenatural.
               Que há de mais sólido, com efeito, do que um sentimento que resulta do acordo íntimo de todas as potencias da nossa alma com a vontade do Criador? As práticas de piedade são bem frágeis quando não assentam neste fundamento. Viver em harmonia com Deus e procurar em todas as circunstâncias ser-lhe agradável: eis aí o que consiste a solidez da devoção cristã. Nesta via simples não há ilusões nem decepções; a alma permanece igual a si mesma, sempre feliz e alegre, e todos os seus desejos se realizarão, porque não tendem senão ao cumprimento da vontade de Deus.
               Fora desta concordância só há o mal estar, o aborrecimento e a tristeza.
            A alma cristã que procura em Deus a sua luz e a sua força conserva um bom humor inalterável no meio dos incidentes do dia-a-dia.
            Submetida à vontade Divina, nada a faz tremer, não se altera com as variações de temperatura, não se transforma quando os ventos lhe são contrários, nem se descuida dos seus deveres e dos seus exercícios quando lhe faltem consolações.

               Ela é inflexível na sua fé, constante no seu amor e inabalável na sua adesão à Igreja. Tal é o primeiro carácter da verdadeira devoção.
              Mas a conformidade com a vontade de Deus, que torna a piedade sólida, também a torna amável. Não se trata aqui de certas graças artificiais que se vêem brilhar no mundo e são comuns e de pouco valor. Há uma outra amabilidade que é intrínseca à piedade cristã: esta procede da caridade.
               Evidentemente a alma que procura tornar-se agradável a Deus, por uma conformidade humilde e fiel com a divina vontade, goza uma satisfação perpétua, que se reflete, como a uma auréola doce e serena sobre todos os seus atos.
          A verdadeira amabilidade não consiste em ditos engraçados e frases espirituosas, mas em certo perfume de delicadeza que exala do coração e embalsama todos os pensamentos e todas as palavras. 
              Ela é sóbria nos seus juízos e apreciações, evita a maledicência e se esquiva de boa vontade para fazer valer aos outros. Aos olhos do mundo, a amabilidade é uma arte; mas na religião ela é natural. Para bem dizer, ela não é uma qualidade isolada, mas uma reunião de qualidades; não é uma flor, mas um ramalhete.
            Que as mães cristãs tornem amável a sua devoção pela maneira como a praticam! “Que a sua luz brilhe diante dos homens, não para se realçarem aos olhos destes, mas para glorificarem com ela o Pai celeste”; isto é, para fazerem que a religião seja amada e apreciada por seus maridos, por seus filhos e por todos os que a cercam.

               Não receamos afirmar que o que muitas vezes afasta os homens das práticas piedosas é a pouca simpatia que lhes inspira certo gênero de devoção.
               De um lado, vós intercedeis por eles, mas, de outro lado, não os edificais. Falai-lhes das consolações que dá a religião, mas vos mostrais habitualmente fracas, tristes e abatidas. O que pensam eles a respeito desta espécie de cristãs que, todas as semanas, se aproximam do tribunal das misericórdias, mas que, entretanto são insensíveis para com o próximo? Que correm com ânsia a todos os sermões, mas não se mostram menos apressadas a correr a todas as festas mundanas? E que, mesmo ao saírem da Santa Missa, não trazem para as suas famílias senão uma fronte agitada e coberta de nuvens ou um ar tristonho e abatido? Os homens do mundo querem atribuir tais contradições a uma causa lógica e concluem daí, pelo menos, que a piedade nada tem de agradável. Oh! Quanto a influência da mulher seria ao contrario benéfica e proveitosa, se as graças da sua piedade se insinuassem brandamente nos corações e se a devoção bem entendida infundisse a estima e a simpatia!

               Acrescentamos que a piedade deve ser sobrenatural; e se perguntardes em que difere esta piedade natural, seria curta a resposta: uma se detém neste mundo, ao passo que a outra visa à eternidade. Esta linha de demarcação notemos bem, distingue profundamente os cristãos de todos os tempos. Uns não vivem senão para a vida presente; procuram a felicidade sobre a terra apenas e só têm em vista os interesses, as recompensas e os gozos temporais. Outros aspiram a uma fortuna mais alta; o seu reino não é neste mundo, e como vivem para o céu, uma elevação habitual de ideias e de sentimentos enobrece todos os atos da sua vida, tornando-os mesmo sobrenaturais.
  
              A piedade natural, por uma estranha aberração, dá uma importância muito secundaria às lições evangélicas: esquece as coisas da eternidade para não pensar senão nos bens deste mundo; e no encalço da felicidade, como nos sonhos do futuro, bem raramente eleva as suas perspectivas acima dos horizontes da terra.

               A piedade sobrenatural prefere os bens que não passam àqueles que o tempo arrebata; coloca as condições da salvação eterna acima de quaisquer outras considerações; deixa predominar a Graça sobre a natureza e subordina a lei da carne e do sangue à Lei mais alta, mais pura e mais desinteressada do espírito cristão.

               Vós, mães de família, vós que vos instruís nas escolas de Jesus Cristo, erguei bem alto as vossas esperanças, desembaraçai-vos dos laços terrenos, procurai antes de tudo as coisas imortais e contai firmemente com a Divina assistênciaA vossa primeira conquista há de ser vosso esposo; vós o salvareis, que tal é a promessa formal de São Paulo: “a mulher fiel salvará seu esposo infiel”. Com mais forte razão, ela o salvará se ele é cristão. Suponhamos que ele esteja apartado de Deus e da Igreja; ainda assim, não desanimemos porque em todo o caso ele se acha incluído entre os membros da Igreja, enquanto não tiver a desgraça de renegar expressamente o seu Salvador. Uma gota de sangue de Jesus Cristo gira em suas veias e a chama sagrada não se apagou ainda nele; um sopro pois a reanimará, e é a vós que caberá talvez reacender esta chama que apagou. Este triunfo pressupõe, todavia , sentimentos sobrenaturais.

" Vós não cumprirás jamais a vossa missão, se preferires a vaidade mentirosa ao invés da verdade pura, se tratais apenas de alimentar as vossas paixões e as dos outros, aspiras o mesmo que uma borboleta dourada, reluzindo as luzes efêmeras do mundo. "

           Em nenhuma hipótese alie a devoção cristã a uma vida leviana, pois seria comprometer a honra do cristianismo, dar ao mundo o espetáculo de uma religião que faz uma monstruosa mistura da taça de Belial com o cálice de Jesus Cristo e que de manhã se nutre do Pão dos anjos para à tarde entregar a vida as coisas vãs, senão criminosas. 
            Esta aliança heterogênea da luz com as trevas é um dos abusos que atualmente bradam mais alto perante o trono supremo: “Sede ardentes ou frios – diz a voz de Deus - pois, se fordes tíbios apenas, sereis rejeitados da minha boca. Aquele – diz Jesus Cristo – que não é comigo é contra mim; aquele que comigo não ajunta, desperdiça”. E acrescenta: “Aquele que come o meu pão  vive em mim”. Ora, viver de Jesus Cristo é viver da vida sobrenatural; e abusa portanto da Graça, quem dá à vida uma finalidade que não é conforme a Deus.

             Se a falsa devoção da mulher é a causa freqüente da perda dos homens, a verdadeira piedade, ao contrário, com as suas qualidades características exercem atrativos irresistíveis sobre os corações.       
              Sólida, amável e sobrenatural, o seu valor excede ao dos maiores tesouros, é utilíssima em todos os assuntos, segundo o testemunho do apóstolo, a contêm em si as promessas da vida presente e os penhores da vida futura.

 Fonte: Mãe Cristã

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de fazer seu comentário: ele deve ser relacionado ao post, e feito respeitosamente. Reservo-me o direito de não publicar comentários que julgue desnecessários ou desrespeitosos. Os comentários não expressam a minha opinião e são de total responsabilidade de seus autores.